Após paralisação, estudantes de Barra do Choça, na BA, ainda cumprem ano letivo de 2017; professores cobram 13º atrasado

Os estudantes da rede pública municipal de Barra do Choça, no sudoeste da Bahia, ainda não concluíram o ano letivo de 2017. O atraso foi causado por uma paralisação de professores, ocorrida no ano passado, e pelo início tardio das aulas, devido ao atraso na contratação de educadores.

O município possui cerca de 50 escolas públicas, que oferecem Educação Infantil e Ensino Fundamental 1 e 2. A previsão é de que o ano letivo de 2017 só seja finalizado no final de janeiro. Mais de 8 mil alunos foram afetados.

Além disso, alguns dos cerca de 400 professores que prestam serviço para a cidade cobram pagamentos atrasados. De acordo com o Sindicato dos Professores Municipais de Barra do Choça (Simprobac), os profissionais ainda não receberam o 13º sálario e nem o pagamento referente ao mês de dezembro.

“A prefeitura sinalizou o pagamento do salário de dezembro para o dia 12, nesta sexta-feira. No entanto, o 13º salário, marcou-se uma reunião para o dia 31 de janeiro, para discutir a possibilidade de como irá se pagar esse 13º salário. Nenhuma informação nós temos”, detalhou o coordenador do Simprobac, José Francisco dos Santos.

Um dos estudantes prejudicados pelos problemas na rede pública municipal é o Luígor Silva. Ele ficou em 9 recuperações, e aponta as dificuldades nas aulas como causadoras das notas ruins. “Com greve em um dia e aula no outro, a gente perde a atenção, de vez em quando. Então, não ajuda”, contou.

Os professores também reclamam. “Tem colegas que moram fora da Barra do Choça. A gente está tomando dinheiro emprestado, ou, até mesmo, extrapolando o cartão, o dinheiro, para poder vir trabalhar”, disse Wilton Silva.

COMPARTILHAR