Como funciona a máquina de WhatsApp que pode eleger Bolsonaro

Listas telefônicas em papel, chips importados, grupos segmentados e hibridismo entre militantes e disparadores pagos. Essas foram algumas das estratégias utilizadas pela campanha de Jair Bolsonaro (PSL) para criar sua extensa rede de comunicação paralela via WhatsApp. Na reta final da eleição, ÉPOCA conversou com pessoas que mergulharam ou participaram ativamente da construção do sistema, marcado pela circulação de notícias falsas e financiamento duvidoso. Um dos ouvidos pediu anonimato por temer retaliações.

André ( nome fictício ) trabalhou para a família Bolsonaro durante quase dois anos. No início, o serviço se restringia à geração de peças virtuais. Em seguida, ampliou-se à criação maciça de grupos no aplicativo de mensagens. No primeiro semestre deste ano, a colaboração foi encerrada – entre outros motivos, pelo desconforto crescente da agência em que André trabalhava com o uso de notícias falsas desde o ano passado. “Saímos da campanha quando percebemos que as chances de ele ganhar eram reais”, contou.

Para multiplicar as células no aplicativo, eram utilizadas listas com números de celular fornecidas diretamente por funcionários do clã Bolsonaro. Diversas listas com números telefônicos foram retiradas pessoalmente de escritórios no Rio de Janeiro e em São Paulo — prática comum em campanhas para driblar a legislação eleitoral, que só permite o uso de base de dados dos próprios candidatos. Em seguida, por telefone, cada uma das listas era associada ao perfil de um grupo específico: jovens, mulheres, pobres, evangélicos, entre outros. Os grupos eram criados e alimentados manualmente. Um a um, centenas de contatos migravam do papel para a rede, sem a autorização prévia dos usuários.

Muitos deixavam os grupos, sempre inaugurados com uma mensagem de boas-vindas que trazia as regras de utilização. Para evitar a debandada, os disparadores enviavam mensagens privadas, com referências nominais aos proprietários dos números. “Assim, criávamos um ambiente mais família, menos artificial”, disse um dos informantes. Após o grupo atingir uma estabilização de participantes, o funcionário da agência transferia sua administração para um dos integrantes e deixava o grupo. O procedimento era feito para que não houvesse sobrecarga dos operadores, que ficariam livres para criar novos grupos e cuidar da gestão deles — um desenho semelhante às pirâmides financeiras.

O professor Viktor Chagas, que monitora cerca de 150 grupos de cunho conservador e bolsonarista para o CoLAB, grupo de pesquisa da Universidade Federal Fluminense (UFF), constatou a presença decisiva de números estrangeiros nesses espaços. Chamam atenção telefones com códigos de Índia, Paquistão e Arábia Saudita. “Esses números são minoria, mas se caracterizam por uma atividade intensa”, explicou Chagas. O informante que esteve dentro da campanha de Bolsonaro contou que a maioria dos chips usados vinha dos Estados Unidos, mas também havia alguns com origem em Portugal e na Argentina. As agências que atendiam o clã do presidenciável recebiam os chips estrangeiros em procedimento idêntico ao das listas — pessoalmente, em encontros cercados de sigilo. A ideia era dificultar o rastreamento e bloqueio dessas linhas.

A gestão da rede de grupos de WhatsApp acontecia toda no Telegram, aplicativo de mensagens russo. Nos grupos dessa cúpula, de acordo com os relatos, estariam os Bolsonaros, assessores diretos, representantes das agências contratadas e alguns militantes de confiança. Estes dispunham de chips da campanha para gerir braços dessa rede. Muitos recebiam o conteúdo diretamente dos criadores, a fim de quebrar a cadeia de comando e dificultar acusações de que a campanha veiculava notícias falsas. A preferência pelo Telegram se explica por uma maior sensação de segurança.

Para Viktor Chagas, da UFF, embora equivocada do ponto de vista da inviolabilidade, já que ambos os aplicativos são criptografados de ponta a ponta, a estratégia pode ser útil. “O WhatsApp tem sido responsivo, tomando medidas de segurança contra a atuação desses grupos. No caso do Telegram, embora a plataforma tenha princípios e políticas mais claras no geral, não temos ainda a mesma certeza de cooperação”, apontou. Embora o estudo do CoLAB colete apenas dados, e não conversações, Chagas observou uma veiculação massiva de mensagens e “colinhas” de candidatos apoiados por Jair Bolsonaro em diversos estados do país na semana que antecedeu o primeiro turno.

As células de apoio a Bolsonaro no WhatsApp se dividem em três modalidades. Primeiro, os grupos de disparo maciço em que os usuários não podem interagir entre si. Neles, só existe um administrador, que envia as peças e orienta os passivos a replicar o conteúdo em suas redes. Para esse fim, militantes usam também as linhas de transmissão, ferramenta do aplicativo para o envio múltiplo de mensagens privadas. Depois, em menor número, vêm os chamados “grupos de ataque”, em que também não há diálogo, mas o administrador publica um determinado link que deve ser atacado em massa pelos demais. Reportagens contrárias aos Bolsonaros e enquetes virtuais como as realizadas pelo Congresso Nacional são os alvos preferenciais. Esse tipo de célula reúne os militantes mais disciplinados, que recebem orientações objetivas e respostas pré-fabricadas para o conteúdo-alvo. Por último, estão os grupos públicos, de maior organicidade e com mais de um moderador, nos quais é permitido aos integrantes interagir.

Todos os grupos monitorados por Chagas estão nessa categoria, porque o objetivo do estudo, a longo prazo, é identificar o padrão de comportamento dos envolvidos no ambiente virtual. “Vários desses grupos usam imagens de avatar padronizadas e têm uma estrutura compartimentada, com nomes semelhantes e regionalizados, o que sugere uma estrutura profissional”, avaliou. O pesquisador, que extrai periodicamente as conversações desde maio deste ano, têm um banco de 767 mil interações e verificou que, com frequência, apenas 5% dos integrantes concentram mais da metade das mensagens. A média de participantes por grupo é de 120 usuários.

Para a criação do conteúdo que abastece essa rede, as diretrizes principais eram humor e superficialidade. “A mensagem tinha de ser simples, para ficar na cabeça das pessoas”, disse André. “Após junho de 2013, a força das redes ficou evidente. Essa linguagem, percebeu-se, funcionava muito bem na Internet e tinha uma eficácia impressionante na política”. Memes e mensagens que ironizavam opositores eram muito utilizados. Do contratante vinha a ordem para insistir em temas caros ao capitão reformado, como segurança pública, ataques ao PT e à corrupção, além de explorar sua imagem “autêntica”. Para tanto, eram repassadas à prestadora de serviços frases de efeito que Bolsonaro já tinha dito em eventos públicos ou que ainda diria, tudo para se antecipar e aproveitar ao máximo o ambiente virtual.

Qualquer polêmica era bem-vinda, fosse ela inicialmente favorável a Bolsonaro ou não. Um exemplo foi a discussão com a deputada Maria do Rosário — que processou Bolsonaro depois de ele ter dito que ela não merecia ser estuprada por ser feia. “Eles pediram para explorar bastante o episódio, e criamos conteúdos em cima da discussão do politicamente incorreto, dizendo que não dá mais para fazer piada, que o Brasil está muito chato”, contou o informante. A segmentação permitia endereçar mensagens a grupos específicos, nos quais a aceitação seria maior, como imagens apelativas à volta dos militares ao poder. Nos últimos meses da colaboração, foi solicitada maior ênfase na ação junto aos evangélicos.

Desde 2016, o grupo ligado ao candidato ventilava o desejo de contar com o apoio de Steve Bannon, diretor-executivo da campanha de Donald Trump à Presidência dos EUA e figura-chave no escândalo Cambridge Analytica. No dia 11 deste mês, Bannon citou o Brasil como um dos possíveis integrantes do grupo chamado “O Movimento”, idealizado por ele. Dois meses antes, Eduardo Bolsonaro postara uma foto com o estrategista em sua conta pessoal no Twitter. Na legenda, afirmava que Bannon estava em contato com a campanha para unir forças, “especialmente contra o marxismo cultural”.

Nas últimas semanas, ÉPOCA entrou em grupos de apoio à candidatura de Bolsonaro à Presidência no WhatsApp e constatou a presença silenciosa de seus filhos Eduardo e Flávio, além de Major Olímpio (PSL), eleito senador por São Paulo. Na sexta-feira (19), Flávio protestou contra o banimento de sua conta no aplicativo. “A perseguição não tem limites! Meu WhatsApp, com milhares de grupos, foi banido DO NADA, sem nenhuma explicação! Exijo uma resposta oficial da plataforma”, escreveu. No mesmo dia, o WhatsApp comunicou que havia banido contas vinculadas às empresas acusadas de enviar mensagens em massa relacionadas às campanhas políticas nas eleições deste ano.

Tiago Ramos, que trabalha voluntariamente na administração dos números de WhatsApp do candidato ao governo do Rio Wilson Witzel (PSC) e dá suporte à campanha virtual de Bolsonaro, contou à reportagem que, após a decisão do aplicativo, interrompeu nos últimos dias a circulação de mensagens em massa e também via listas de transmissão. “Não foi orientação de ninguém, mas uma precaução minha para não prejudicar os candidatos por uma injustiça. Tenho amigos que usam o aplicativo para se comunicar com clientes e tiveram contas bloqueadas sem motivo”, relata. “Eles não conseguem entender que não somos robôs. Somos pessoas que trabalham e, quando podem, dedicam um tempo extra para falar do candidato que apoiamos. Não há crime nenhum nisso”, insiste.

Após o resultado do primeiro turno, o PT passou a dar mais atenção a sua estratégia nas redes. Criou dezenas de grupos regionais em que o ingresso era possível por acesso a links distribuídos em redes de apoiadores do partido. Neles, não era possível mandar mensagens, somente receber conteúdo. Ao contrário do primeiro turno, quando o uso de memes e imagens estilizadas era menos frequente e muitos “textões” ainda circulavam, o partido e seus militantes passaram a apostar em uma linguagem mais visual. Entretanto, algumas das peças trazem um volume de informação considerado grande para o perfil da plataforma, com números, textos e gráficos em uma só arte, por exemplo.

O informante avaliou a atuação petista nas redes como rudimentar. “Se o partido tivesse estruturado uma teia com os movimentos sociais, seria indestrutível. Eles não conseguiram diagnosticar que as jornadas de junho surgiram no ambiente digital e a importância que esse espaço teria dali em diante”, constatou. “O PT não entendeu que o foco deixou de ser na rua. Tem de ‘socar’ informação pelas redes o tempo todo. Agora é tarde, mas, para ter alguma chance, o PT precisa romper com a bolha e trazer de volta o cara que deixou de votar no partido.”

Ao constatar o protagonismo crescente do processamento de dados, o consultor de tecnologia Caio Almendra tentou mostrar a importância do tema a integrantes do PSOL no Rio. “Sugeri, por exemplo, a metrificação das panfletagens em diferentes regiões para avaliar o sucesso de cada ação e planejar melhor as próximas, mas nunca deram atenção”, disse. Quando começaram a circular notícias falsas sobre a vereadora Marielle Franco, executada em março deste ano, ele apresentou ao partido uma iniciativa orçada em R$ 110 mil que possibilitaria identificar os autores do conteúdo. “Imagine o que poderíamos ter evitado do que está acontecendo hoje. O valor era realmente alto para o partido, mas não tanto se fosse dividido com outras organizações”, lamentou.

COMPARTILHAR