SEI divulga Indicador de Confiança do Empresariado Baiano referente ao mês de maio

O Indicador de Confiança do Empresariado Baiano (Iceb), índice que avalia as expectativas das entidades representativas do setor produtivo do estado, calculado pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), apresentou, em maio deste ano, um quadro de maior pessimismo comparativamente ao observado no mês anterior.

O ICEB marcou -53 pontos no mês de maio, piora de 23 pontos em relação ao registrado em abril (-30 pontos). A expectativa geral do empresariado baiano, dessa forma, continuou na zona de Pessimismo Moderado – completando 21 meses seguidos nessa região. O último registro positivo do referido indicador ocorreu em abril de 2013.

Em maio, após pequena elevação no mês anterior, o pessimismo voltou a aumentar e atingiu o maior nível do ano. Tal resultado, no entanto, não descaracteriza o movimento mais amplo de resgate da confiança no meio empresarial baiano iniciado há mais de dois anos e, também, não enfraquece as suspeitas de que uma nova fase de expectativas positivas esteja prestes a ser inaugurada. Até porque, de janeiro até agora, os indicadores de confiança se apresentaram em estágios melhores que os observados de março de 2014 a dezembro do ano passado.

A piora do nível de confiança, captada na passagem de abril a maio, evidenciou o retrocesso no indicador de dois dos quatro grupamentos de atividades: Serviços (de -69 para -132 pontos) e Comércio (de 90 para 49 pontos). Por outro lado, os setores de Agropecuária (de 39 para 128 pontos) e de Indústria (de -23 para 30 pontos) melhoraram as expectativas quanto ao futuro.

A Agropecuária, após o revés do mês anterior, voltou a indicar alta no indicador – apresentando o maior progresso entre os setores e retornando, assim, ao posto de atividade mais otimista. A Indústria revelou a segunda maior elevação no indicador em maio, voltando a acusar perspectivas positivas após o registro pessimista no mês antecedente. A atividade de Serviços, além de se revelar a mais pessimista pela oitava vez seguida, computou a maior queda e se mostrou a única com indicador negativo no mês em questão. Por fim, o Comércio, diante do segundo maior recuo da confiança entre os setores, deixou o posto de mais otimista.

Do conjunto de itens avaliados, Crédito, Câmbio e PIB Estadual foram aqueles com as piores expectativas do empresariado baiano no mês. Em contrapartida, Inflação, Vendas e Capacidade Produtiva apresentaram os indicadores de confiança em melhor situação.

O boletim completo com as análises referentes ao mês de maio pode ser acessado diretamente do site da SEI.

COMPARTILHAR