Sem experiência, ex-estagiária ocupa cargo estratégico no Denatran

A experiência nem sempre é imprescindível quando se trata de ocupar cargos estratégicos nos governos local e federal. Após a demissão do diretor, de apenas 19 anos, do Ministério do Trabalho indicado pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), e da passagem de um jovem de 18 em dois cargos de chefia na Secretaria de Políticas para Crianças, Adolescentes e Juventude do DF, a história parece repetir-se em outra pasta. Órgão ligado ao Ministério das Cidades, o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) contratou, no dia 24 de janeiro, uma ex-estagiária como coordenadora-geral de Infraestrutura no Trânsito.

Mal conseguiu o diploma de engenheira elétrica por uma faculdade particular de classe média alta do Distrito Federal, a recém-formada Marina Nunes Pinto de Araújo foi indicada para o alto cargo dentro da autarquia, subordinada ao Ministério das Cidades de Alexandre Baldy. Dentro do órgão, a indicação causou revolta entre os servidores, que reivindicam a indicação exclusivamente técnica para um cargo com atribuições tão específicas.

Com um DAS 101.4 [código para designar o nível da gratificação], Marina deixou as bolsas de estágio — as quais variam entre R$ 600 e R$ 1 mil — e o trabalho na Mam Informática para um salário de chefia de quase R$ 8 mil. Com a decisão, a nova servidora Marina passar a ter responsabilidade, por exemplo, de homologar os veículos brasileiros e coordenar a Câmara Temática de Assuntos Veiculares – com assessoramento, inclusive, ao Conselho Nacional de Trânsito (Contran).

Ainda sob a batuta de Marina, está toda a parte técnica específica sobre veículos, como licenciamento de empresas que realizam inspeção veicular, homologação de películas, realização dos processos de recall e emissão de pareceres técnicos a projetos de lei que tramitam no Congresso Nacional sob temas veiculares. Tudo isso, com um detalhe: a contratada tem experiência anterior como estagiária na empresa Oi, na Companhia do Metropolitano do Distrito Federal (Metrô-DF), e como contratada para suporte de atendimento de informática para uma terceirizada do Banco do Brasil. .

No currículo encaminhado por ela para a Casa Civil da Presidência da República, a coordenadora lista uma série de qualidades próprias que a levariam a merecer o cargo: “Carteira de habilitação, condução própria, não fumante, assiduidade, coordenação, organização no trabalho e facilidade na aprendizagem”.

Por assegurar a fluência em idiomas – inglês, espanhol e alemão –, a coordenadora-geral Marina representará o Brasil no WP29 (Fórum Mundial da Organização das Nações Unidas para Harmonização dos Regulamentos Veiculares), na Suíça, e integrará ainda a comitiva para reuniões técnicas de subgrupos do Mercosul, marcadas para o segundo semestre deste ano, no

Redes sociais
Pelas redes sociais, contudo, a ex-estudante revela ter interesses por atividades menos técnicas. Não participa ou segue grupos sobre temáticas da área profissional. No Facebook, a comissionada do alto escalão do Denatran prefere comunidades como “Agitos de Brasília”, “Eventos de Dança DF e Entorno” e “Festas em Brasília”.

Para um show sertanejo que será realizado apenas no dia 8 de abril, na Granja do Torto (Parque de Eventos e Exposições de Brasília), Marina Nunes já confirmou a participação. Entre as atrações, estarão Marília Mendonça e Henrique & Juliano.

O outro lado
Marina Nunes foi procurada diversas vezes antes de a reportagem ser publicada. Mas não retornou os telefonemas e desligou o celular. Após a divulgação, porém, ela entrou em contato com o Metrópoles. Disse que antes de assumir o cargo passou um mês como atendimento da agência WiseIt e, pouco antes, era contratada como analista da empresa Mam informática, onde dava suporte de tecnologia para o Banco do Brasil.

“Não pulei de estagiária para o atual cargo. Tive esse dois antes”. A reportagem questionou sobre as suas qualificações específicas em trânsito e ela derrapou ao pontuar estágio no Metrô-DF. “Na verdade, foi experiência em mecânica”, corrigiu imediatamente. Marina afirmou estar apta a ocupar o posto atual, mas despistou quando perguntada sobre como conseguiu chegar até a coordenação-geral do órgão. “Só te peço o favor de colocar as informações completas”, pediu.

O Ministério das Cidades afirmou, em nota, “que a servidora Marina Nunes tem formação acadêmica na área de engenharia, o que a gabarita para exercer a função de Coordenadora-Geral de Infraestrutura de Trânsito”.

Segundo a pasta, a jovem foi nomeada “por meio de critérios técnicos, observando o caráter de livre nomeação para provimento do cargo do grupo de direção e assessoramento superior – DAS, em perfeita concordância com os ditames da Lei 8112/90”.

O ministério acrescenta ainda que o objetivo da atual gestão da pasta é “realizar um trabalho de melhor qualidade para a população e exigindo de todos os seus secretários, diretores e servidores o mesmo nível de comprometimento e dedicação com o serviço público”.

COMPARTILHAR